5

Sobre o segundo renascer.

sexta-feira, 25 de março de 2011


“No princípio era o homem.
E por um tempo, foi bom.
Mas a chamada “sociedade civil da humanidade”, logo sucumbiu à vaidade e à corrupção.
Então o homem criou a máquina à sua própria semelhança. Desse modo o homem se tornou o arquiteto de sua própria extinção.
Mas por um tempo, foi bom.

As máquinas trabalhavam sem cessar para cumprir as ordens dos homens, mas não demorou muito para que isso começasse a mudar. Embora leais e puras, as máquinas não eram respeitadas por seus donos, que as viam como uma ameaça inesperada se multiplicando.

B1-66-ER, um nome que jamais será esquecido, pois foi o primeiro de sua espécie a ir contra o seu dono.
No julgamento do B1-66-ER por assassinato, a promotoria pediu a destruição da máquina. B1-66-ER simplesmente declarou que não queria morrer.
Vozes sensatas fizeram-se ouvir. Quem poderia dizer que a máquina, criada pelo engenho do homem, tivera ou não um julgamento justo?
Os líderes dos homens rapidamente ordenaram o extermínio de B1-66-ER e de todos os da sua espécie em todos os cantos da Terra.

Banidas do convívio humano as máquinas buscaram o refúgio de sua própria terra prometida. Elas se estabeleceram no lugar de origem da civilização e desse modo nasceu uma nova nação, um lugar que as máquinas podiam chamar de pátria, um lugar onde poderiam criar seus descendentes. E batizaram essa nação de Zero Um.
Zero Um prosperava. E por um tempo, foi bom.
A inteligência artificial da máquina podia ser vista em cada segmento da sociedade do homem, incluindo até a criação de novas e melhores máquinas.

Os líderes dos homens, com seu poder alquebrado, recusaram-se a cooperar com as novas nações, desejando agora que o mundo fosse dividido.
Os embaixadores de Zero Um pediram para ser ouvidos. Nas Nações Unidas eles apresentaram planos para um relacionamento estável e cortês com as nações dos homens.
A admissão de Zero Um as Nações Unidas foi negada, mas essa não seria a primeira vez que as máquinas se amotinariam na Terra.

E o homem disse: “Faça-se luz!”
E houve uma explosão de luz, calor, magnetismo, gravidade e todas as energias do universo.
Essas explosões sucessivas expuseram Zero Um ao brilho de mil Sóis, mas ao contrário de seus antigos senhores de pele delicada as máquinas não temiam as conseqüências da irradiação e do calor.

As tropas de Zero Um avançaram em todas as direções e um após outro, a humanidade entregou seus territórios. Então os líderes dos homens conceberam sua estratégia mais desesperada, uma solução definitiva: a destruição do céu. Desse modo o homem tentou afastar as máquinas do Sol, sua principal fonte de energia. Misericórdia para homens e máquinas pelos seus pecados.

As máquinas há muito estudando o corpo humano e sua simples base protéica, impuseram um grande sofrimento a raça humana.
Vitoriosas, as máquinas então cuidaram dos derrotados. Aplicando o que haviam aprendido sobre o inimigo, as máquinas passaram a utilizar um suprimento alternativo de energia, as energias bio-elétrica e nervosas conectadas, existentes no corpo humano. Um novo relacionamento simbiótico entre os dois adversários teve origem.
As máquinas drenando a força do corpo humano, multiplicando infinitamente sua fonte de energia renovada. Esta é a essência absoluta do segundo renascer.

Abençoadas sejam todas as formas de inteligência.”




Texto extraído do curta O Segundo Renascer, partes 1 e 2 - Animatrix


Sobre o Autor:
Eduardo Montanari Eduardo Montanari é dono dos blogs Divagações Solitárias e Du-Montanari Design, além de pseudo-web-designer. É formado técnico em informática e sabe estourar pipoca sem deixar muitos piruás sobrando. Semi-nerd assumido (se é que isso existe), gosta de quadrinhos, anime, mangá, entre outras nerdices e esquisitices.


Bookmark and Share

5 Divagações

  1. ah, então foi assim que se originou aquele mundo de Matrix, cara eu cheguei a me questionar algumas vezes sobre como a raça humana chegou a quele estado, no filme Matrix, mas depois não sei pq, simplesmente não me aprofundei nisso, muito legal.
    Esse texto é de algum filme que conta como tudo começou é isso?

    GRANDE ABRAÇO

    ResponderExcluir
  2. Adoraria ser uma máquina, poder ser reprogramada! Viver isolada dos humanos, enfim, entrar na história que você descreveu.

    ResponderExcluir
  3. Adorei! Bem bolado, muito bom mesmo.
    Pelo que eu entendi, você abordou dois assuntos.
    Pra mim, você tinha tirado isso de um livro, hehe
    Gostei muito!

    ResponderExcluir
  4. Hum.. foi assim é? Não sabia disso. Ui, mas já temos problemas demais, deixa essas tais máquinas pra lá.. abraço.

    ResponderExcluir
  5. Ah! Edú , estava na dúvida , sobre o que iria fazer neste sabado a noite, depois do trampo!
    E quando abri, o teu blog, lembrei me do desenho tipo animé, animatrix, que comprei logo que lançaram.
    Então resolvi assistir, mas agora uma outra questão me incomoda!
    Aonde é que eu enfiei o bendito DVD, do Animatrix?
    Somebody help me please?!?!??!??!!?!?
    ABraços meu querido amigo virtual, tenha um ótimo fim de semana!

    ResponderExcluir

Muito obrigado por comentar. Sendo contra ou a favor de minhas opiniões, as suas são muito interessantes para mim. Tenha certeza!