4

Sobre a Síndrome de Morning Glory, garotinhos excitados e aniversários friamente calculados.

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Eu nunca fui muito fã da Xuxa, na verdade, nunca fui nem um pouco fã. Pra mim era indiferente quem apresentava o programa, desde que fossem exibidas as atrações e brincadeiras que eu gostava. Na verdade me orgulho em dizer que nunca fui fã de ninguém, nunca idolatrei ninguém e até hoje acho idiota da parte de quem o faz, não por motivos religiosos ou coisa do tipo, mas sim porque acho uma falta de personalidade tremenda. Eu sempre gostei dessa ou daquela personalidade por esse ou aquele motivo, mas nunca fiz disso um caso de dependência, como muitos fazem. 
A entrevista que a apresentadora Xuxa concedeu no domingo, dia 20/05 para o programa Fantástico garantiu altos índices de audiência para a Rede Globo e como era de se esperar, está repercutindo até agora em todos os meios de comunicação, principalmente na internet e redes sociais. Não assisti a entrevista pelo meu aparelho de televisão, mas confesso que no dia seguinte fiquei curioso e procurei a mesma pelo Youtube, um site onde você pode assistir vários vídeos. A primeira coisa que pude notar é o quanto o tempo é implacável, que por mais que ela tenha passado metade da vida dela sendo garota propaganda de cremes hidratantes, tudo o que eles conseguiram fazer foi deixar a pele dela hidratada e luminosa (a maquiagem ajudou pacas também), mas como ela mesma disse na entrevista, tudo o que tinha que cair, caiu. 
Ela então fez suas esperadas declarações, abuso sexual na infância, chorou, engasgou-se nas próprias lágrimas e a polêmica então estava formada: Como pode uma mulher que já fez um filme no qual se deitou nua com um garotinho de 12 anos, vir hoje a público falar de abuso sexual e pregar moral e bons costumes?
Não vou mais uma vez dar minha opinião aqui no blog sobre o que eu considero moral e imoral, eu já disse várias vezes aqui que o meu conceito do que é realmente imoral é diferente do da sociedade, cada um que julgue o que considera imoralidade ou não. Não me emocionei com as declarações da loira, não fiquei chocado ou revoltado, pois sim, o que ela passou com certeza não deve ter sido fácil para ela, mas infelizmente é algo comum a muitos. Assim como aconteceu com ela, aconteceu e ainda continua acontecendo com milhões de crianças pelo mundo todo, não considero o caso dela mais importante apenas porque ela é a “famosa apresentadora Xuxa”, mas o caso é que acredito que o tempo e as experiências de vida mudam as pessoas. Como disse não a estou defendendo como fã, na verdade não estou defendendo ela de forma nenhuma, simplesmente acho que o povo “caiu matando” em cima dela fácil demais. O que nós conhecemos das celebridades é a vida que elas querem nos mostrar, mas por baixo de todo o glacê do bolo todos temos vidas comuns, com acontecimentos comuns e todos nós estamos sujeitos a escolhas erradas em nossas vidas, coisas que, quando mais jovens considerávamos viáveis ou corretas, coisas nas quais não víamos problemas, aí de repente acordamos numa bela manhã de domingo e nos pegamos pensando: “Meu Deus, por que é que eu tomei tais decisões na minha vida?”. Talvez ela esteja muito, muito arrependida pelas decisões que tomou no passado, talvez não esteja, mas ainda assim a forma fácil como as pessoas afirmam coisas com veemência a respeito das outras me deixa realmente enojado. De mais a mais, o garoto parece bem hoje.


Não, a figura ao lado não é um planeta alienígena esquisito, é uma cicatriz, um buraco no fundo do meu globo ocular, uma má-formação congênita conhecida como “Síndorme de Morning Glory”. Gozado como são as coisas. Às vezes ficamos tanto tempo desejando uma coisa e depois, quando ela acontece ou pelo menos começa a acontecer, ficamos nervosos, tensos, inseguros, com medo do novo, da mudança.
Há algumas semanas atrás eu fui fazer uma entrevista de emprego para trabalhar como Auxiliar Administrativo em uma faculdade renomada daqui de Bauru. Embora eu esteja usando palavras bonitas, o cargo é para pessoas portadoras de deficiência e não tem essa pompa toda, mas o salário é razoável e os benefícios muito bons. Fiquei muito empolgado com a proposta e desde então venho esperando ser chamado para uma segunda entrevista. Não é certeza que conseguirei a vaga, pois estou concorrendo com mais três pessoas, contudo, embora não fique mais fazendo expectativas demais sobre tudo, ainda fico ansioso e considero isso natural, me espanta as pessoas que não ficam.
Na terça-feira passada, para o meu espanto pois pensei que não estava mais no páreo, a faculdade me ligou perguntando se na quarta-feira a noite eu poderia comparecer até a clínica deles para fazer um exame oftalmológico que pudesse comprovar que eu sou realmente deficiente. Pronto, já foi o suficiente para me dar palpitações, dor de barriga e até perda de apetite, não devido ao exame é claro, pois uso óculos e faço esse tipo de exame desde os meus três anos de idade, pingando aquele colírio ardido, que dilata sua pupila e te deixa com a vista embaçada por horas. Até gosto quando jogam aquela luz poderosa no fundo dos meus olhos e que me dá a sensação de que estou olhando para uma explosão nuclear. Aliás crianças, recomendo nunca olharem pra uma explosão nuclear, a luminosidade irá cegá-los para sempre, além do fato de, se vocês estiverem muito próximos, a onda de choque da explosão vai desintegrar seus átomos. Não deve doer de fato, mas acredito que deva ser bem chato.
Fui, fiz o tal exame, voltei pra casa ceguinho pelas ruas e tive que esperar mais de duas horas para conseguir usar o computador, já que não estava conseguindo focar a visão nem nos meus dedos.  Agora estou aqui novamente, com cólicas e roendo as unhas de medo da próxima entrevista, caso eu seja chamado para fazê-la. Eu até que não sou mais tão tímido quanto antes, mas ainda odeio fazer entrevistas de emprego, ser obrigado a representar um papel para agradar a pessoa, para tentar convencê-la de que eu mereço a vaga. Não há questionamento quanto ao meu merecimento, eu estou desempregado e tenho duas idosas em casa para sustentar, contas a pagar, mas o problema é que tirando eu, o resto do mundo não quer saber disso e então cabe a mim tentar convencê-lo da melhor forma possível. Vejamos onde tudo isso vai dar. Será que vem aí mais uma fase da minha vida? Na verdade a minha curiosidade é bem maior que o meu medo de mudança. Mudanças são necessárias para o nosso amadurecimento.


Estou animado com as próximas semanas da minha vida em relação a passeios. No domingo passado fui com minha amiga e ex-supervisora nos Correios, Carol, ver alguns eventos da Virada Cultural Paulista aqui de Bauru. Foi um passeio relativamente simples, passamos o dia na praça da cidade vendo os shows, fomos caminhar pelo Bosque daqui e no final do dia fomos comer lanche. Meu amigo Adriano apareceu por lá também e o meu dia que já estava bom, ficou completo, foi tudo muito gostoso, eu sou o tipo de pessoa que se contenta com coisas simples, o que me importa é a companhia das pessoas, seja em que situação for. Agora, no próximo dia 02/06 vai acontecer na cidade de Garça mais uma festa das cerejeiras e eu estou bastante empolgado, pois o lugar é lindo, a festa é super gostosa e combinamos de ir lá novamente. Estou ansioso para tirar novas fotos do evento.
Fora isso, provavelmente vou sair na sexta que vem com minha amiga Renata para conhecer um barzinho novo da cidade e talvez no início do mês eu consiga vender minha câmera para um conhecido meu que se mostrou bastante interessado em adquiri-la. Para fechar negócio, combinamos de nos encontrarmos em algum lugar e antes de fechar negócio, nos alcoolizarmos.
Além disso, em julho tem o Anime Friends 2012, evento que aguardo ansiosamente e em agosto é o meu aniversário no dia 26, data em que estarei um ano mais próximo de minha inevitável morte, afinal já dizia o bom e velho Renato Russo: “Viver é uma dádiva fatal, pois no fim das contas ninguém sai vivo daqui”. Certo ele. Mas enquanto eu ainda estou vivo eu estou planejando pedir para minha amiga Renata deixar que eu comemore meu aniversário na casa dela. Não que eu curta comemorar aniversários nem nada, acho isso uma chatice total, até uma coisa meio boba, seria mais pra eu poder comer um churrasquinho mesmo, tomar umas biritas e filosofar ao lado de muita gente interessante, até o neto bastardo do meu bisavô e um peruano que vivia na Bolívia e muitas coisas trazia de lá. Hum... Tá, viajei agora, mas o caso é que o quintal dos fundos dela é gostoso, ela é uma excelente companhia e eu gosto muito de ser paparicado, gosto que as pessoas prestem atenção em mim, então vejo nisso uma excelente oportunidade.
Aí, é isso, acho que é só por hoje. Com certeza daqui uns dias terei novidades para contar, sejam elas quais forem.

Eduardo Montanari Sobre o Autor:
Eduardo Montanari é dono dos blogs Divagações Solitárias e Du-Montanari Design. É formado técnico em informática e no momento está desempregado e um pouco deprimido. Nerd assumido, gosta de quadrinhos, anime, mangá, entre outras nerdices e esquisitices.


4 Divagações

  1. O desespero que estas sub celebridades tem para ser comentadas, a inveja das panicats e demais garotas e jovens que estão despontando no mundo da fama, provoca desvarios igual ao desta criatura que está na mídia fazendo hora extra. Fora o globismo que é a pior ditadura só empatando com a chinesa! Imagino a delícia que deve ser ir a um destes festivais aí onde ainda se pode andar num parque e na rua! Aqui é seguro mas não tem nada disso, preço de se conservar vivo longe de assaltos, linchamentos por discriminação e outros. Anime é uma coisa que eu curto e no meu tempo não tinha estes encontros, éramos ETs. Quem sabe em outra vida!

    ResponderExcluir
  2. Oi!
    Sobre Xuxa, já vi gente dizendo até que ela inventou tudo para se autopromover. Vi também um ser extremamente mal educado que fez um post com um título mais ou menos assim:
    "Lugar de vaca sagrada é na Índia"
    Nunca tive simpatia pela personagem Xuxa, sobre a pessoa nada posso dizer, não conheço. O fato de ela ter decidido se expor falando sobre abuso sexual no fundo diz respeito mais a ela mesma, e terá talvez um efeito passageiro nas atitudes das pessoas sobre o assunto. A repercussão entre as gentes mesquinhas é que é triste de ver; como você mesmo diz, por baixo de todo o glacê, artistas são pessoas como todas. Não vi a entrevista, não vi o tal vídeo do tal filme, nem quero ver. Se todos que já fizeram c&*#@ na juventude forem ser hostilizados assim, a guerra vai ser total...
    Sobre a resposta que você está esperando, torço para que seja você o escolhido, por nenhum outro motivo que não seja o de eu gostar do que você escreve, os outros candidatos que me desculpem, ou não.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, eu estava pensando nisso que você falou. Acho que algumas pessoas confundem as coisas. Tirando os invejoso, acho que algumas pessoas confundem a "personagem" Xuxa, com a pessoa Maria da Graça. Como não gostam dela como apresentadora, figura pública, acabam generalizando e achando que as pessoas só tem uma única faceta, que é geralmente a que mostram. E muito obrigado pela torcida.

      Excluir
  3. Boom, falar da Xuxa é difícil neh rsrs, digamos que não gosto muito do que vejo hehe.

    Descobri, apesar de ainda não seguir à risca, que é preciso viver a vida, o quanto antes. Não é muito fácil bancar seus desejos e assumir o risco de viver "sua própria vida", mas é preciso, essencial.

    ResponderExcluir

Muito obrigado por comentar. Sendo contra ou a favor de minhas opiniões, as suas são muito interessantes para mim. Tenha certeza!